SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO CARMA – A CELEBRAÇÃO DE UMA EXPERIÊNCIA INCRÍVEL!

“Experiência incrível!” Foi assim que Ana Fernandes, professora de inglês, descreveu a sua participação no Seminário de Avaliação do CARMA, realizado em Istambul, em novembro passado. O objetivo do seminário foi reunir um grupo de 23 professores e especialistas em educação (não-formal) – que participaram na experiência piloto do projeto CARMA – para compartilhar com os seus pares as suas experiências no uso de RMA e outras técnicas de aprendizagem não-formal.

Um dos principais objetivos do projeto CARMA, financiado pela Comissão Europeia ao abrigo do Programa Erasmus +, é introduzir a Abordagem Maiêutica Recíproca (RMA) e outras Técnicas de Aprendizagem Não Formal (NFL), tais como “A Caixa de Emoções”, “Coding”, “Petal Debate” e “Group Investigation”, como forma de promover a motivação e o envolvimento dos alunos em atividades da sala de aula. Esta abordagem foi testada por 26 professores e 7 especialistas em aprendizagem não formal, oriundos de sete países europeus (Itália, Espanha, Portugal, Áustria, Turquia, França e Bélgica). Os resultados deste teste piloto foram compartilhados e debatidos durante o Seminário Europeu de Avaliação do CARMA, realizado em novembro, em Istambul.

Desta experiência destaca-se a melhoria da interação não apenas entre alunos e professores, mas também entre os próprios professores. Com a aplicação das técnicas de RMA e NFL, os professores sentiram que as competências sociais dos seus alunos aumentaram, assim como o seu sentido de responsabilidade em relação à aprendizagem. No seu feedback, professores e especialistas referiram ainda que essa experiência também plantou as sementes para um melhor relacionamento entre alunos e professores. No entanto, a experiência piloto  confirmou igualmente que os professores (e até os alunos) não estão realmente preparados para implementar atividades ou métodos alternativos de aprendizagem,  não  previstos nos currículos. Assim, um sentimento inicial de “perda de tempo” era geralmente sentido pelos professores, até que eles pudessem entender como as técnicas poderiam ser implementadas e quais benefícios eles poderiam observar. A maioria dos professores destacou a importância da formação de professores em técnicas e métodos alternativos de aprendizagem, focando na implementação dos métodos (como há uma grande variedade), a importância do planeamento (e os ajustes que são necessários).

Além disso, quando questionados sobre as fraquezas da utilização das técnicas de RMA e NFL, a maioria dos professores referiu o fato de que alunos não estão habituados a dar opiniões e ideias em sala de aula ou até mesmo expressar emoções. Isto representou um grande desafio no início da fase de piloto, que foi rapidamente superado com a continuação da implementação das ações. No entanto, as oportunidades que esse grupo de professores e especialistas reconheceram também foram significativas!

“Quando integramos os métodos de NFL, não paramos a educação formal: tentamos otimizar a educação formal.” – foi assim que Linda Castañeda, da Universidade de Múrcia, resumiu a experiência geral na Espanha – e a otimização pode ser bastante simples de implementar: poderia começar nos programas de formação (inicial e contínua) de professores, onde eles poderiam aprender desde cedo sobre técnicas de RMA e NFL através das atividades do CARMA; ou, especificamente em relação aos recursos do CARMA, estes poderiam incluir a integração de técnicas de comunicação não-verbais, como teatro e desenho, como uma oportunidade para alunos e aprendizes que têm mais dificuldades em se expressar verbalmente. Poderia também considerar a criação de mecanismos e recursos de avaliação não formal que pudessem acompanhar as técnicas.

Ana Fernandes, professora de Inglês, foi uma das participantes do CARMA e implementou algumas técnicas de aprendizagem não formal nas suas aulas. Durante o seminário de avaliação em Istambul, Ana revelou que: “Foi uma experiência incrível e, com certeza, continuarei a implementar estas técnicas em sala de aula porque posso ver como meus alunos estão a obter mais competências para lidar com os temas que vou ensinando. Além disso, também foi uma experiência interessante para mim, como professora, porque quando estou a dar aulas, faço-o pelos meus alunos e não apenas por mim ou pelo sistema”.

O feedback dos professores durante o seminário levantou pontos importantes a considerar em relação à oferta de educação inclusiva e eficaz para enfrentar os atuais desafios da educação escolar que enfrentamos na Europa, como por exemplo, reduzir a taxa de abandono escolar precoce, aumentar as competências básicas dos jovens e potenciar a inclusão social dos alunos. Os professores elaboraram várias recomendações para os decisores políticos, líderes na educação escolar e para as suas próprias instituições escolares sobre como mudar os sistemas de ensino atuais para motivar e envolver efetivamente os alunos através do ensino e aprendizagem colaborativos.

O feedback dos professores será desenvolvido como um conjunto de recomendações de políticas para a educação escolar com base nos resultados da avaliação.

Assista ao vídeo do Seminário de Avaliação CARMA. Para mais informações sobre o CARMA, entre em contato com a coordenadora do projeto, a Sra. Rosina Nduke rosina.ndukwe [a] cesie.org

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*